Aumentar a fonte do texto Normalizar a fonte do texto Diminuir a fonte do texto    facebook   youtube   youtube   
Aumentar a fonte do texto Normalizar a fonte do texto Diminuir a fonte do texto    facebook   youtube   youtube   
  

facebook   youtube   youtube   
Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

Preveno e Controle de Agravos Nutricionais

Preveno e Controle de Agravos Nutricionais Preveno e Controle de Agravos Nutricionais Preveno e Controle de Agravos Nutricionais Preveno e Controle de Agravos Nutricionais Preveno e Controle de Agravos Nutricionais Preveno e Controle de Agravos Nutricionais Preveno e Controle de Agravos Nutricionais


Desnutrio


A desnutrio corresponde a uma doena de natureza clnico-social multifatorial, cujas razes se encontram na pobreza. Quando ocorre na primeira infncia, est associada maior mortalidade, recorrncia de doenas infecciosas, a prejuzos no desenvolvimento psicomotor, ao menor aproveitamento escolar e menor capacidade produtiva na idade adulta. Nos pases em desenvolvimento, a desnutrio nessa faixa etria constitui-se importante problema de sade pblica.

No Brasil, a prevalncia de dficit de altura para idade foi reduzida pela metade entre 1996 e 2006, passando de 13,5% para 6,8%, com declnio mdio anual de 6,3%. Cabe ressaltar que a reduo nesses percentuais de desnutrio no ocorreu de forma homognea, sendo maior entre as famlias e regies mais pobres e vulnerveis do Pas.

No entanto, quando observadas as crianas menores de cinco anos pertencentes a famlias beneficirias do Programa Bolsa-Famlia, verifica-se que tanto a desnutrio aguda (baixo peso) quanto a crnica (baixa estatura) so mais prevalentes quando comparadas aos dados de toda a populao brasileira nessa faixa etria.




Da mesma forma, a desnutrio permanece elevada em algumas regies do Pas, sobretudo em municpios de pequeno porte, e em grupos populacionais especficos, estando fortemente concentrada nas Regies Norte e Nordeste. De acordo com dados do Sisvan, atualmente ainda h 253 municpios brasileiros com 10% ou mais crianas menores de cinco anos com desnutrio aguda, representando um total de 22.194 crianas.

A persistncia da desnutrio em um contexto histrico de declnio de sua prevalncia sinaliza a necessidade de maiores investimentos sociais e de ateno focalizada de forma qualificada. Nesse sentido, o setor sade deve monitorar os casos de desnutrio infantil, principalmente dos quadros graves e moderados, e garantir a oferta de cuidados adequados para recuperao dos indivduos desnutridos.


Compromisso do Governo Brasileiro

A reduo do baixo peso e da baixa estatura entre crianas menores de cinco anos de idade em 10% e 15% at 2015, respectivamente, so metas estabelecidas na Diretriz 7 Reduo dos Riscos e Agravos Sade da Populao, por Meio das Aes de Promoo e Vigilncia em Sade do Plano Nacional de Sade 2012-2015 .

Tambm, no Plano Nacional de Segurana Alimentar e Nutricional 2012-22015, h a meta de reduzir em 20% a prevalncia de baixo peso em crianas menores de cinco anos na Regio Norte, ratificando o compromisso do setor sade e dos demais setores em relao a esse importante problema de sade pblica (Objetivo 1 Controlar e prevenir os agravos e doenas consequentes da insegurana alimentar e nutricional da Diretriz 5 Fortalecimento das Aes de alimentao e nutrio em todos os nveis de ateno sade, de modo articulado s demais aes de segurana alimentar e nutricional).


Preveno e Controle da Desnutrio

A elaborao de fluxos e procedimentos para o acolhimento adequado s demandas espontneas e aos casos identificados por busca ativa, no mbito da ateno bsica e em articulao com os demais pontos de ateno, que contemplem a identificao das causas, avaliao e classificao do risco, estabelecimento de Projeto Teraputico Singular e de articulao com outros setores e polticas sociais, fundamental para o cuidado integral e resolutivo dessa populao vulnervel.

Alm disso, outras aes j comprovadas e fundamentais para preveno e controle da desnutrio, apoiadas pela CGAN/MS e que podem ser implantadas e incorporadas aos fluxos e procedimentos estabelecidos para a ateno s crianas desnutridas em seu municpio, incluem:

  - A promoo ao aleitamento materno exclusivo at os 6 meses e da alimentao complementar saudvel, com continuidade do aleitamento materno at os 2 anos, fortalecida pela Estratgia Amamenta e Alimenta Brasil;

  - A preveno de deficincias nutricionais especficas, com a Suplementao de Ferro e cido Flico e Vitamina A;

  - O acompanhamento do estado nutricional de crianas menores de cinco anos, com a utilizao do SISVAN, com especial ateno s crianas pertencentes a famlias beneficirias do Programa Bolsa Famlia;

  - A promoo e implantao de aes intersetoriais, por meio da Articulao Intersetorial, tendo em vista a determinao multifatorial da desnutrio.

Para informaes sobre a ateno criana com desnutrio grave em hospitais, conhea nosso manual de atendimento da criana com desnutrio grave em nvel hospitalar.


Referncias

Monteiro et al. Causas do declnio da desnutrio infantil no Brasil, 1996-2007. Rev Sade Pblica. 2009; 43 (1): 35-43.

Brasil. Ministrio da Sade. Secretaria de Cincia, Tecnologia e Insumos Estratgicos. Departamento de Cincia e Tecnologia. Centro Brasileiro de Anlise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Sade da Mulher e da Criana ? PNDS 2006. Braslia, DF: MS, 2006

Brasil. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade. Departamento de Ateno Bsica. Coordenao-Geral de Alimentao e Nutrio. Sistema de Vigilncia Alimentar e Nutricional. Mdulo gerador de relatrios do SISVAN Web. Estado Nutricional dos Indivduos Acompanhados. 2011.