Aumentar a fonte do texto Normalizar a fonte do texto Diminuir a fonte do texto    facebook   youtube   
Aumentar a fonte do texto Normalizar a fonte do texto Diminuir a fonte do texto   
  
Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

Cuidado integral no SUS

Data de publicao: 03/02/2017


As Prticas Integrativas e Complementares (PICs) busca promoo da sade e melhoria na qualidade de vida


Em busca de oferecer atenção humanizada e uma saúde integral, há 11 anos foi criada a Política Nacional das Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). Uma iniciativa que começou com propondo cinco práticas — fitoterapia, acupuntura, homeopatia, medicina antroposófica e termalismo — cresceu tanto no âmbito nacional quanto municipal. Por meio de Portarias, o Ministério da Saúde ampliou a oferta e, hoje, são 18 recursos terapêuticos oferecidos no Sistema Único de Saúde.

Ao longo do anos de implantação das PICs, o Ministério tem auxiliado as gestões estaduais e municipais para desenvolverem ações próprias e incorporarem mais práticas na tabela de ofertas da saúde pública local, além de organizar a gestão conforme a as necessidades e características locais.

Esse é o caso do Distrito Federal que, além de disponibilizar 14 procedimentos em todas as regiões administrativas, tem mais de 30 anos de história, uma caminhada que antecede a criação da Política. Desde 1987, oferece atividades em acupuntura, alimentação natural, fitoterapia, homeopatia, entre outras ações.

“As Práticas Integrativas em Saúde atendem nos três níveis o primário, secundário e terciário. Atualmente, estamos com 58,5% de cobertura na Atenção Básica. São 277 pontos de atendimento presentes em todas as regiões administrativas”, explica Valéria Frota, responsável pela Gerência de Práticas Integrativas em Saúde (GERPIS) no DF.

No site da GERPIS, está disponível tabela com local e horário da maioria das práticas que têm agenda aberta. Para Reiki e homeopatia, é necessário marcar atendimento. Já acupuntura é por indicação médica. A oferta depende da disponibilidade de profissionais capacitados nas unidades.

“A procura pelas práticas tem aumentado, pois o usuário consegue ver melhorias na saúde e na qualidade de vida”, conta Valéria. O DF oferece acupuntura, antroposofia, arteterapia, automassagem, dança sênior, fitoterapia, Hatha Yoga, homeopatia, Lian Gong, meditação, musicoterapia, Reiki, Shantala, Tai Chi Chuan e terapia comunitária.

Cuidado diferenciado
Recife (PE) também oferece PICS no SUS desde 2004, quando foi criada a primeira Unidade de Cuidados Integrais à Saúde (UCIS) - Profº Guilherme Abath, local de assistência baseada nos princípios da integralidade, da promoção da saúde e da prevenção de doenças. Atualmente, o município conta com 31 práticas Integrativas e Complementares: Yoga, Tai Chi Chuan, Lian Gong, Flexibilidade, soloterapia, Zu Yen Su, Automassagem, Biodança, Bioenergética, Psicomotricidade Relacional, Arteterapia, Meditação, Constelação Familiar, Aromaterapia, Corporificando a Consciência, Terapia Comunitária, Contação de história, Danças Circulares, uso racional de plantas medicinais e fitoterapia, Alimentação Viva, Alimentação Saudável, Permacultura, Acupuntura, Homeopatia, Medicina Integrativa, Terapia Floral, Osteopatia, Terapia Cranio-Sacral, Reiki e Auriculoterapia

“Entendendo que algumas terapias se aproximam na forma de operar, a Coordenação da Política Municipal de Práticas Integrativas em Saúde (PMPIC) decidiu organizar as práticas em núcleos de cuidado, objetivando um diálogo e aprimoramento das intervenções no cotidiano dos serviços. São divididas em: ênfase corporal, ênfase psicoemocional, ênfase sociointegrativa, ênfase pedagógica e ênfase na clínica individual integrativa”, explica Éllcio Ricardo, coordenador das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde de Recife.

Para ter acesso, o usuário pode procurar as unidades especializadas espontaneamente ou ser encaminhado por qualquer profissional da rede de saúde. As UCIS utilizam o acolhimento como ferramenta de gerenciamento do cuidado ao usuário na unidade.

Benefícios como mudança no estilo de vida, diminuição do uso de medicamentos, ressignificação da doença, recuperação de laços sociais, familiares e comunitários, diminuição das queixas de dores osteomusculares são os mais relatados por quem opta pelas práticas integrativas.

De acordo com Éllcio Ricardo, a procura pelas práticas tem aumentado cotidianamente. “As PICs tem propiciado um cuidado humanizado que visa a promoção da saúde, proporciona uma visão integral do indivíduo e busca o paradigma vitalista. Ou seja, um tratamento sem adotar métodos invasivos, que dá ênfase à relação terapêutica e estimula os mecanismos naturais de recuperação da saúde”, conta.

Saiba mais sobre os recursos terapêuticos
Portaria amplia oferta de PICS