Aumentar a fonte do texto Normalizar a fonte do texto Diminuir a fonte do texto    facebook   flickr   youtube   
Aumentar a fonte do texto Normalizar a fonte do texto Diminuir a fonte do texto    facebook   flickr   youtube   
  

facebook   flickr   youtube   
Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

Encontro Estadual chega ao corao do Par

Data de publicao: 15/05/2018


Os municpios Benevides, Barcarena e Ponta de Pedras compartilham experincias durante os dois dias de programao do evento


A primeira edição do Encontro Estadual para Fortalecimento da Atenção Básica no Pará contou com a presença de representantes de 106 municípios. O evento aconteceu nos dias 8 e 9 na capital Belém. O segundo do estado será no início de junho em Marabá. Na mesa de abertura, o diretor do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde (DAB/MS), João Salame Neto, lembrou que os esforços dos gestores em participar do debate e oficinas beneficiarão na melhoria da gestão e, consequentemente, na execução das ações em saúde para o Estado.

“Todos os encontros já realizados foram espetaculares. Tivemos bons resultados e os gestores têm apresentado um excelente nível de participação. Quanto mais bem informados estivermos, mais bem preparados estaremos para de fato fortalecer e qualificar a Atenção Básica”, parabenizou o diretor do DAB.

A vice-presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado Pará (COSEMS/PA), Eugênia Janis Chagas Teles, destacou que o Encontro Estadual é de extrema importância para todo o país. “Essa agenda é efetiva e resolutiva para todos nós, principalmente para os municípios mais distantes das capitais. Precisamos fortalecer as pontas, para que possamos seguir até os grandes centros”, afirmou.

Também na mesa de abertura, o representante da Federação dos Municípios do Pará (FAMEP), Josenir Nascimento, parabenizou as ações do DAB. “Nós já ampliamos muitas ações e estratégias aqui na Região norte. É preciso intensificar o que temos com a qualificação dos nossos profissionais”, refletiu.

Participaram da mesa a representante da Secretaria Estadual de Saúde, Heloísa Guimarães, a representante da Secretaria Municipal de Belém, Carlene Castro de Almeida, e a representante do Núcleo Estadual do Ministério da Saúde (NEMS/MS), Marli Cruz da Rosa.

Tercia Siqueira, referência técnica de Saúde Bucal de Belém, falou que o encontro permite a análise profunda de diversas dificuldades regionais. “Aqui na nossa cidade, nós temos que tentar diminuir as barreiras geográficas, principalmente para combater a cárie dentária, que é a nossa maior dificuldade dentro da questão de Saúde Bucal. Oficinas como essa nos ajudam a melhorar e aperfeiçoar nossas ações”.

Ainda de acordo com Tercia Siqueira, o fortalecimento da Atenção Básica começa através da informação. “Agendas como essa, com união do Estado e dos municípios juntos ao ministério, nos preparam para melhor informar o usuário sobre como buscar os serviços, prevenir e tratar as doenças”, ponderou.

NASF

Uma das mesas mais esperadas pelos gestores foi a sobre o Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB). Na ocasião, foram compartilhadas duas experiências municipais. Uma delas foi a da cidade de Benevides, apresentada pela terapeuta ocupacional Lorena Pinheiro.

“Nunca imaginamos que um município tão pequeno quanto o nosso teria espaço um evento do ministério. Ficamos extremamente felizes em receber o convite e em poder compartilhar nossa experiência. São ações como essa que nos mantém fortes em busca do fortalecimento da Atenção Básica”, disse Lorena.

A terapeuta ocupacional explicou que o município busca desenvolver o trabalho mais próximo da comunidade. “Fazemos um trabalho de comunicação, intensificando as informações que são levadas para a comunidade, fazendo com que ela seja participativa e que almeje o bem-estar e a qualidade de vida”.

A coordenadora do NASF-AB do distrito de Murinin, em Benevides, explicou que o mérito da experiência é dos profissionais envolvidos, e principalmente da comunidade participativa. De acordo com as representantes de Benevides, o programa “Saúde e qualidade de vida” já teve participação de 300 pessoas em uma atividade coletiva. E que os programas voltados para idosos são os mais esperados pela comunidade.

Outro município que compartilhou experiência foi Barcarena. A coordenadora da Atenção Básica, Cleise Jane Coelho Gomes, disse  que o NASF existe na maioria dos municípios, mas o muncípio é um dos poucos que segue as determinações do Ministério da Saúde. Barcarena conta com três equipes de NASF que dão apoio para 19 equipes de Saúde da Família, que estão divididas em: uma equipe em Barcarena-Sede, uma nas Vilas e uma nas Estradas. “Essas equipes estão cada dia em uma unidade de sua cobertura realizando atendimentos individual, coletivo, e compartilhado, além de visita domiciliar”, concluiu.

30 anos de SUS

Para a coordenadora de Atenção Básica do município de Pacajá, Rosa de Fátima Cândido, é um privilégio estar mais próximo do Ministério da Saúde através de uma agenda de encontros. “São em momentos como este que nós conseguimos construir novos passos para a Atenção Básica. E para mim, que vi o nascimento do SUS é fantástico”.

Enfermeira há 34 anos, Rosa se lembrou de como vivenciou o desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (SUS). “No início da saúde pública, há 30 anos, nós precisávamos ser polivalentes. Fazíamos um pouco de tudo para melhor atender as necessidades dos usuários. Tínhamos diversos desafios, como o de preparar o profissional para as ações e programas. Era difícil também por estar longe do ministério. Hoje, temos acessibilidade junto aos técnicos, temos excelentes programas e ações que aumentam os serviços e a qualificação do atendimento, um exemplo disso é o NASF”.

Rosa destacou que as conquistas do SUS não excluem as responsabilidades dos profissionais. “Não é porque temos novas ferramentas na Atenção Básica que devemos achar que já está bom. Enquanto profissionais, nosso dever é continuar atuando e buscando sempre o melhor para o usuário, para a Atenção Básica e para o SUS”.

Outra experiência apresentada no Encontro foi a da cidade de Ponta de Pedras, que fica na região de Marajó. O município foi o primeiro a ser contemplado com o repasse para a construção de uma Unidade Básica de Saúde Fluvial. “Faltava muito conhecimento do que precisávamos fazer. A ansiedade tomava conta, mas estávamos muito bem assessorados pelos técnicos do ministério. E poder compartilhar isso com outros municípios que têm as mesmas necessidades que nós tínhamos é prazeroso”, relembrou secretário de saúde de Ponta de Pedras, Michel Leandro Costa.

Michel contou que no momento o município busca ampliação da assistência. “Passamos por um longo processo de organização de serviços e de profissionais. Hoje nós temos 22 embarcações na região para atender cerca de 16 mil usuários. Um número expressivo. Esperamos que outros municípios, como o nosso, que estão dentro dos critérios, consigam qualificar os serviços ”.

Aprendizado

“Dia de muito trabalho, mas também de satisfação”, foi assim que um grupo de residentes definiu a oportunidade de participar do Encontro. Para Russell Santiago, residente em Estratégia Saúde da Família, na Universidade do Estado do Pará (UEPA), o Encontro abriu espaço para novas experiências. “Aqui eu pude ouvir muitos relatos dos quais ainda não havia tido contato. O mais interessante foi que participei fazendo relatoria, o que é muito desafiador, porque são muitos detalhes, como as dúvidas dos gestores”. Russell participou da oficina sobre o Programa de Informatização das Unidades Básicas de Saúde (PIUBS).

Outra residente que participou do evento como relatora foi Mariana Pires. “Esse foi o meu primeiro contato com o Ministério da Saúde. A ideia de estar mais próximo ao gestor federal é maravilhosa. O que me chamou atenção foi ver que muitos gestores tinham basicamente as mesmas dúvidas. Percebi que ainda, que enquanto profissionais, precisamos estar mais atentos à realidade e a necessidade da nossa região”. Mariana participou da oficina Requalifica UBS e Equipes de Saúde da Família Ribeirinha e Fluvial.

 

EEFAB - Belm (Par)

Acesse nos links abaixo as apresentações feitas no encontro
Exposição dialogada

Mesa NASF - Reflexões e potencialidades
Mesa Registro NASF
Mesa NASF -  Experiência em Benevides

Mesa NASF - Experiência em Barcarena
MESA eSFF e eSFR
MESA Ribeirinha
Oficina Saúde Bucal
Oficina Requalifica UBS
Oficina Processo de trabalho do ACS e ACE
Oficina PMAQ
Oficina PMAQ UFPA
Oficina PIUBS


Fonte: - Autor(es): -